sexta-feira, 24 de junho de 2011

A Psicanálise (ainda) é possível? - Por Zeila F. Torezan


Freud elencou a psicanálise como uma das profissões impossíveis, ao lado do educar e do governar. Tal proposição pode soar muito estranha ao ser proferida por aquele que fundou e exerceu a psicanálise até o fim de sua vida, deixando um legado incomparável e essencial, até hoje, aos avanços da teoria e técnica psicanalíticas.

Entretanto, com alguma proximidade do campo psicanalítico é possível compreender a mensagem freudiana: a psicanálise é tarefa que exige compromisso de quem a pratica e de quem a ela se submete e, assim com o educar e o governar, é regida por uma ética, está implicada num contexto e está articulada ao laço social. A Psicanálise reconhece assim a impossibilidade da perfeição, da totalidade e da plenitude em seu exercício e em seus efeitos.

Desde a sua criação muitos proclamaram o fracasso da psicanálise. Não é raro o anúncio da sua extinção.  Alguns consideram ultrapassadofalar de problemas pessoais, explorar idéias e refletir sobre a vida quando existem recursos como medicamentos, que prometem resultados sem esforços. Outros ponderam sobre sua suposta insustentabilidade frente à agitação, à falta de tempo e à necessidade de soluções rápidas que caracterizam o nosso cotidiano.

Então, não seria mais eficaz e/ou mais rápido, pois a modernidade ensinou que tempo é dinheiro, aprender algumas técnicas para solução de problemas ou aperfeiçoar a capacidade cognitiva para uma administração mais racional e lucrativa da própria vida? 

Ou, melhor ainda, buscar alguma opção medicamentosa que possa suprimir todas as dificuldades e sofrimentos que caracterizam a existência humana?

Acredito que as respostas a estas indagações dependem do conceito de eficiência que se utilize e da definição dada à condição de ser humano.

Freud iniciou seus trabalhos e desenvolveu a teoria e o tratamento psicanalíticos a partir do que ele identificou como mal de amor: uma inquietação da falta, vivida como falta de amor. Não parece que a inquietação do homem contemporâneo esteja distante disto, ao contrário, temos nos deparado com sujeitos desamparados, solitários, em busca de laços e do consumo como uma forma de encontrar a plena felicidade.

A psicanálise propõe a possibilidade de tratarmos essevazio, esta condição de sermos seres faltantes, incompletos, buscando encontrar meios menos sofridos de viver e, portanto, de abordar a dor de existir. Assim, o conceito de eficiência distancia-se de uma promessa de felicidade atrelada à abolição de todo e qualquer sofrimento (por umas poucas horas!) e aproxima-se da aposta em um sujeito que se reconheça como desejante e responsável por seus atos e que, portanto, possa obter mais prazer em sua vida.

Mais do que possível, isso me parece bastante desejável e (porque não?) necessário.

1 Clique aqui para comentários: :

Postar um comentário

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Grants For Single Moms